05/08/2017 07:27:00

Como se preparar para a retomada?

Marcos Maregatti



Divulgação

Até o início da semana passada havia um clima otimista com relação a retomada da economia, e de maneira geral, começávamos a perceber os tímidos sinais de recuperação, ainda que de maneira pouco expressiva.
Apesar das últimas más notícias, é importante que as empresas se preparem para o momento da retomada porque, acreditemos ou não, isso vai acontecer.

Uma das principais dúvidas que surge nesse momento no ambiente empresarial é: Como voltar a ter a mesma rentabilidade obtida antes da recessão?
A maioria das empresas deixou os investimentos e reestruturações de lado e o foco de atenção foi somente na redução de custos durante o período da crise.

A eficiência durante as “vacas magras” foi obtida graças à redução de pessoal e corte nos custos de produção, mas essa eficiência não é a de melhor qualidade. Diante desse fato, a tendência é que as despesas e os custos de produção aumentem, roubando uma parte significativa da rentabilidade do negócio.

Alguns dados recentes já mostram uma tendência no aumento dos custos de produção das indústrias de bens de consumo e o ataque às ineficiências deverá nortear as ações estratégicas e táticas, e isso poderá impactar negativamente os resultados financeiros, caso essas perdas não sejam identificadas, atacadas e eliminadas.

Ainda é cedo para falar dos gargalos que impactam a produtividade, afinal, boa parte das empresas atingiu o “fundo do poço”. Mas é importante identificar as ineficiências de processo, e não estamos falando somente dos processos produtivos, o foco em eliminar os desperdícios e perdas deve ser abrangente e ser feito quase que de maneira obsessiva.

Como identificar as ineficiências e perdas nos processos (produtivos, administrativos, de apoio etc)? Será necessário ter em mente os conceitos do “Pensamento Enxuto”, ou “Lean Thinking”, para encontrar tais oportunidades no ambiente fabril e também no administrativo.

O entendimento do porquê tais desperdícios ocorrem e como eliminá-los é fundamental para a sobrevivência de qualquer empresa e deve ser um processo de melhoria contínua. Qualquer atividade que não adiciona valor ao produto, ao processo ou ao cliente, pode ser entendida como perda, ineficiência ou desperdício.
Qual o papel dos gestores no processo de ataque aos desperdícios?

Quais as perdas mais comuns em ambientes administrativos e fabris?
Quais as principais causas de ineficiências?
Reflita sobre tais questões e avalie investir em um time de profissionais que pode contribuir para o plano de retomada.

* Engenheiro de Produção Mecânica e consultor da IMAM Consultoria.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário