25/07/2017 18:42:00

Ipatingão



Divulgação

Desde a sua inauguração e com vários atos de violência acontecendo nos estádios do Brasil, o Ipatingão passou a ser olhado mais de perto, e com isto reduziram a sua capacidade com o argumento de que deveria passar por alguns ajustes. Mas a população nunca soube que ajustes são estes, o que precisa ser feito, e o que foi feito para a liberação de apenas 5.000 torcedores no estádio.

É preciso que o Corpo de Bombeiros informe à comunidade o que precisa ser feito no estádio, para que todos saibam e possam acompanhar. Só não é possível que um estádio deste tamanho, com capacidade para mais de 30.000 torcedores, seja obrigado a manter uma capacidade reduzida e medíocre.

Até hoje ninguém conseguiu “engolir” o argumento usado para a retirada de cadeiras, tornando o espaço horroroso e sem nenhuma visão de um estádio moderno. Em minha modesta opinião, não vejo justificativas para a retirada daquelas cadeiras.

Não sou especialista em segurança, respeito a opinião de quem determinou a retirada, mas em qualquer estádio do planeta, quando acontece um tumulto, ninguém procura espaço vazio para fugir das possíveis agressões, e todos nós somos testemunhas que quando estes tumultos acontecem os torcedores passam por cima das cadeiras e até invadem as cabines de imprensa para fugir, por isto que não vi nenhuma justificativa para esta ação.

Portanto, eu acredito que a comunidade deveria ser informada sobre o que falta fazer, para que o estádio tenha toda a sua capacidade liberada e possa atender também a outros clubes, trazendo recursos para a cidade, um dinheiro que poderia ser revertido para as entidades esportivas locais na realização de suas competições.

Outro detalhe que deverá ser olhado no futuro é que não se constrói mais estádios com fossos. Isso já está ultrapassado e aquele espaço poderia ser eliminado com uma laje por cima, ou outro sistema, para liberar um espaço maior para o torcedor transitar. Isso sem contar que, quando chove, o fosso acumula água e acaba virando foco do mosquito da dengue. É uma situação que merece um estudo e alguns investimentos dos administradores do estádio Ipatingão.

ARBITRAGEM
Para comprovar que a arbitragem brasileira não evolui, basta ver o trabalho desastroso feito pelos profissionais que atuaram na partida do Cruzeiro contra o Avaí, onde o time celeste foi derrotado. Sem dúvida alguma houve uma penalidade máxima não marcada pelo árbitro nem por aquelas “estátuas” que ficam atrás dos gols. Ninguém descobriu ainda qual a função deles do contexto de uma partida.

Já são comuns as reclamações contra a arbitragem brasileira, e são lances fáceis de marcar, com o árbitro próximo do lance, mas ele prefere ignorar entendendo que não houve faltas. É preciso reformular o quadro de arbitragem e fazer uma reciclagem. Não adianta nada penalizar o árbitro suspendendo-o de suas atividades por alguns jogos, pois eles voltam a atuar depois com as mesmas deficiências.

COPA DO BRASIL
Após a derrota para o Avaí no Campeonato Brasileiro, o Cruzeiro volta a campo hoje no Mineirão para enfrentar o Palmeiras, pela segunda partida da Copa do Brasil. E vai jogar por um empate em até dois gols, visto ter empatado em São Paulo com o time paulista em 3x3.

Mano Menezes deve mandar a campo uma equipe com força total para buscar a classificação para a próxima fase, e tem grandes chances de vencer, pois o time vem jogando um futebol que sempre busca o gol desde o início, com um ataque rápido. A equipe ainda tem deficiências na defesa, mas todo o elenco acredita na vitória e na classificação.

O Atlético venceu o Botafogo em casa, na primeira partida, pelo placar mínimo, e estará no Engenhão a partir das 19h30 jogando pelo empate. Mas como poupou alguns jogadores no jogo do brasileiro, o treinador Rogério Micale, que fará a sua estreia, terá força total contra o Botafogo para buscar a classificação, sabendo que enfrentará uma equipe qualificada que tem feito uma boa campanha e que vai pressionar o time atleticano em busca da vitória com uma diferença de dois gols ou mais, para classificar-se à próxima fase.

SERÁ QUE VALE TANTO?
Há muitas especulações com relação a transferência do craque Neymar para o PSG da França, em uma transação que irá envolver 1 bilhão de reais, que é o valor da multa que o time francês terá que depositar para o Barcelona.

Mas será que neste mundo tão carente, valeria a pena jogar tanto dinheiro pela janela em troca de um jogador que também irá receber mais de 100 milhões referente aos 15% que tem direito? A máquina do futebol mundial funciona assim, há muito dinheiro em jogo, o que contradiz a crise que o mundo vive em todos os aspectos.

LEMBRANÇAS
Aristóteles Souza, o Tote, é um dos jogadores mais talentosos do futebol amador do Vale do Aço, lateral com longa experiência que teve passagens vitoriosas por vários clubes. Começou no Sideral, time do bairro onde ele morava, em Timóteo, e depois passou pelo São Cristóvão e Acesita, onde ficou por mais de 10 anos.

Jogou ainda no ESAB de Contagem, onde teve como treinadores Percy Gonçalves e Carlos Alberto Silva, depois veio para a Usipa, Social, Iguaçu, Olaria e Industrial de Timóteo. Disputou a segunda divisão pelo Penharol no Mato Grosso e atuou também pelo Dionisiano da cidade de Dionísio. Foi campeão disputando a liga de João Monlevade, e depois na categoria Sênior no Industrial do Bom Retiro. Atualmente atua no sênior do Pioneiros.

Contato com a coluna: roberto50mg@hotmail.com.


Reação dos Leitores





Envie o seu Comentário