14/03/2017 18:33:00

Dia Nacional de Luta terá paralisação no Vale do Aço

A regional do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Ipatinga (Sind-UTE) levará profissionais da área para um ato em Belo Horizonte



Divulgação


A semana é marcada por mobilização, em todo o pais, contra itens da reforma
O Dia Nacional de Luta, que será realizado nesta quarta-feira (15), apresenta as reivindicações de diferentes categorias e possui como ponto central a luta contra as reformas trabalhista e previdenciária, essa última, proposta pelo Projeto de Emenda à Constituição 287.

A regional do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Ipatinga (Sind-UTE) levará profissionais da área para um ato em Belo Horizonte. Também nesta quarta-feira, o Sind-UTE dará início à greve na rede estadual de Educação. A ação também tem apoio do Sindicato dos Servidores Municipais de Ipatinga (Sintserpi).

Na pauta do sindicato, está contido o reajuste salarial de 7,64%, proposto pelo Ministério da Educação, conforme prevê a Lei 21.710/15. Além disso, os trabalhadores da Educação buscam outros direitos com o Governo de Minas Gerais.

Agentes Penitenciários
O Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de Minas Gerais (Sindasp-MG) também irá promover a paralisação em todo o estado. O representante do sindicato no Vale do Aço, Izaqueu Ferreira de Souza, informou ao Diário do Aço que grande parte dos agentes das penitenciárias de Ipaba, Coronel Fabriciano, Timóteo e o Ceresp de Ipatinga irão paralisar as atividades.

Os funcionários farão ato em frente à porta da penitenciária de Ipaba, em favor da aprovação da PEC 308, que tramita no Congresso Nacional desde 2004. A proposta modifica o Artigo 144 da Constituição Federal e insere os agentes penitenciários como profissionais de Segurança Pública. “Somente com esta PEC nós, agentes, seremos valorizados e teremos a carreira regulamentada”, destaca Izaqueu.

Bancários
Já o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Ipatinga e Região (SEEB-Ipatinga) promoverá mobilização nas portas dos bancos públicos, principalmente de Ipatinga e Timóteo, com possível paralisação das atividades. O representante do SEEB, José Carlos Bragança, afirma que “este é um momento difícil para o trabalhador, que corre risco de ter seu direito à aposentadoria quase que eliminado e ter a precarização das relações trabalhistas”.


Reação dos Leitores





Comentários

Alecsandro

14 de Março, 2017 | 21:19
Eu sou contra tbm da reforma da previdência eu apoio a manifestação vamos todos nus unir contra a reforma da previdência
Envie o seu Comentário